#Culinária Pizza de Sardinha


Ingredientes
Molho
1 sachê de molho pronto (ou prepare o seu)
1 lata de sardinha
1 tomate picado
1 cebola média picada
Massa1 colher (sopa) rasa de açúcar
1 colher (sopa) rasa de sal
1 e 1/2 xícara (chá) de agua morna
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
5 colheres (sopa) de óleo
2 ovos
1 envelope de fermento para pão

Preparo
Molho
1. Frite a cebola, acrescente o tomate.
2. Refogue um pouco e coloque o molho e sal (a gosto).
3. Deixe ferver um pouco e desligue.
4. Por último, colocar a sardinha.
Massa
1. Misture o fermento, a água, o açúcar, o sal e o óleo.
2. Coloque os ovos inteiros e aos poucos a farinha.
3. Bata bem a massa (fica meio mole).
4. Coloque na forma untada e enfarinhada e deixe crescer de 20 a 30 minutos.
5. Pré asse, depois coloque o molho e leve ao forno por mais ou menos 30 minutos.

https://cybercook.uol.com.br/pizza-de-sardinha-r-13-89861.html



COMPARTILHE

COMENTE!

0

#Decoração Armário com mini quarto dentro

Otima dica para inovar no quarto das crianças :)



http://www.viralnova.com/awesome-beds/



COMPARTILHE

COMENTE!

0

#Tirinha Maquiagem para dormir

Tags:




COMPARTILHE

COMENTE!

0

#FilmeDaSemana Julieta



Julieta (Emma Suárez/Adriana Ugarte) é uma mulher de meia idade que está prestes a se mudar de Madri para Portugal, para acompanhar seu namorado Lorenzo (Dario Grandinetti). Entretanto, um encontro fortuito na rua com Beatriz (Michelle Jenner), uma antiga amiga de sua filha Antía (Blanca Parés), faz com que Julieta repentinamente desista da mudança. Ela resolve se mudar para o antigo prédio em que vivia, também em Madri, e lá começa a escrever uma carta para a filha relembrando o passado entre as duas.
http://www.adorocinema.com/filmes/filme-234404/



COMPARTILHE

COMENTE!

0

#Livro A Filha Perdida

Tags:


"As coisas mais difíceis de falar são as que nós mesmos não conseguimos entender." Com essa afirmação ao mesmo tempo simples e desconcertante Elena Ferrante logo alerta os leitores: preparem-se, pois verdades dolorosas estão prestes a ser reveladas.
Lançado originalmente em 2006 e ainda inédito no Brasil, o terceiro romance da autora que se consagrou por sua série napolitana acompanha os sentimentos conflitantes de uma professora universitária de meia-idade, Leda, que, aliviada depois de as filhas já crescidas se mudarem para o Canadá com o pai, decide tirar férias no litoral sul da Itália. Logo nos primeiros dias na praia, ela volta toda a sua atenção para uma ruidosa família de napolitanos, em especial para Nina, a jovem mãe de uma menininha chamada Elena que sempre está acompanhada de sua boneca. Cercada pelos parentes autoritários e imersa nos cuidados com a filha, Nina parece perfeitamente à vontade no papel de mãe e faz Leda se lembrar de si mesma quando jovem e cheia de expectativas. A aproximação das duas, no entanto, desencadeia em Leda uma enxurrada de lembranças da própria vida - e de segredos que ela nunca conseguiu revelar a ninguém.
No estilo inconfundível que a tornou conhecida no mundo todo, Elena Ferrante parte de elementos simples para construir uma narrativa poderosa sobre a maternidade e as consequências que a família pode ter na vida de diferentes gerações de mulheres.
http://www.intrinseca.com.br/livro/692/



COMPARTILHE

COMENTE!

0

#Artesanato Luminária de barbantes


PAP: https://izambard.wordpress.com/2014/09/03/artesanato-e-decoracao-luminaria-de-barbante-passo-a-passo/



COMPARTILHE

COMENTE!

0

#Mensagem Garças

Tags:

Em um recinto do zoológico foi oferecida a um bando de garças uma extraordinária abundância de alimentos. Para elas era o paraíso na terra.

Contudo, tornou se um inferno: a ordem social e a vida familiar das brancas garças ficaram completamente abaladas.

Enquanto a atividade sexual do bando crescia até mesmo a níveis grotescos, a prole diminuía sensivelmente.

As aves adultas, que em liberdade viviam em severa monogamia, só pensavam em adultérios, poligamia, violência carnal e até incesto, guerra com os vizinhos e também em família.

Sempre sangrando e enlameadas, pisavam nos ovos dos ninhos e deixavam morrer os filhotes.
Os pequenos que conseguiam sobreviver não aprendiam a prover seu sustento. A única coisa que os ligava aos três ou quatro "pais" era o incessante pedido de alimento.

Mesmo depois de adultos continuavam a perseguir os mais velhos até diante das vasilhas, sempre transbordantes de alimentos, pedindo com lamuriosa insistência, até que aqueles, para ter um pouco de paz, colocavam lhes alguma coisa no bico.

Quando, depois, eles mesmos procriaram, não foram capazes de cuidar dos seus filhotes.
E assim, os avós tiveram de alimentar, ao mesmo tempo, filhos e netos.

Wendell Berry
Do livro: A civilização da ternura - Paulinas



COMPARTILHE

COMENTE!

0